Vale do Jequitinhonha, Minas Gerais. Hoje é

Um vídeo que mostra uma mulher sendo decapitada, publicado na tarde desta sexta-feira (26) por um usuário brasileiro do Facebook, está causando polêmica nas redes sociais por seu conteúdo violento. Mesmo após ser denunciada, a gravação não foi retirada do ar pela rede social.

Com duração de 59 segundos, o vídeo mostra uma mulher ajoelhada, de mãos atadas e de frente para a câmera.

Ela é segurada pelos cabelos por um homem de boné branco e que usa um capuz preto sobre o rosto.

O usuário que publicou o vídeo não indica o local nem a data de gravação. No entanto, é possível notar o carrasco falando espanhol e dizendo a palavra "Zetas".

"Los Zetas" são um grupo mexicano de narcotraficantes, conhecido por perseguições, massacres e execuções violentas, dentre elas a decapitação.

Além do México, o grupo também atua em países da América Central, como a Guatemala.

Saiba o que você pode publicar na internet sem ter problemas com a lei

O vídeo causou indignação em usuários das redes sociais. Nos comentários do próprio vídeo, enquanto alguns perfis perguntavam o motivo da crueldade, outros diziam concordar com o ato já que a mulher, supostamente, teria cometido outros crimes violentos.

Facebook não retira vídeo do ar

A assessoria de imprensa do Facebook no Brasil já está sabendo do vídeo desde o final da tarde de hoje. No entanto, até a publicação desta reportagem, a gravação ainda não tinha sido retirada do ar.

Segundo comunicado oficial da empresa, por meio de sua assessoria, "as pessoas estão compartilhando este vídeo para condená-lo".

Uma das formas de retirar do Facebook um material com conteúdo ofensivo é por meio da denúncia dos usuários que se sentirem lesados.

Nota oficial do Facebook

"As pessoas estão compartilhando este vídeo para condená-lo. Da mesma forma como programas jornalísticos na televisão usam imagens inquietantes mostrando atrocidades, as pessoas podem compartilhar vídeos inquietantes no Facebook com o objetivo de aumentar o conhecimento sobre ações ou causas. Embora o vídeo seja chocante, nossa postura está fundamentada na preservação dos direitos das pessoas de descrever, representar e comentar sobre o mundo em que vivem."

COM PORTAL R7

Curta nossa página no Facebook

«
Next
Postagem mais recente
»
Previous
Postagem mais antiga

Nenhum comentário:

Deixe seu comentário